Neste momento, o leitor deve estar a perguntar, mas afinal o que é isto? 

Nós explicamos:  

  • Lycopersicon esculentum é o nome científico do tomateiro; 
  • Two Timesporque se pretende estudar a possibilidade de desenvolvimento de práticas culturais, que permitam explorar uma segunda produção das plantas de Tomate de Indústria (TI), após a colheita mecânica tradicional. 

Sabia que? 

  • o custo de plantação da cultura de TI representa 10% do total da conta de cultura; 
  • o aumento para duas colheitas por planta, cria uma oportunidade competitiva para os produtores de tomate, porque permite a diluição dos custos de produção inerentes a cada campanha. 

Melhorar a capacidade produtiva das plantas de TI já instaladas é o propósito  

Mas como? 

Com o objetivo de promoção da inovação no setor agrícola nacional no quadro da Parceria Europeia para a Inovação (PEI) para a produtividade e sustentabilidade agrícola, foram criados alguns Grupos Operacionais (GO) que: 

  • são parcerias constituídas por entidades de natureza pública ou privada que se propõem desenvolver um plano de ação visando a inovação no setor agrícola; 
  • em cooperação, desenvolvem esforços para realizar projetos de inovação que respondam a problemas concretos ou oportunidades que se coloquem à produção; 
  • contribuam para atingir os objetivos e prioridades do Desenvolvimento Rural, nas áreas temáticas consideradas prioritárias pelo setor tendo em vista a produtividade e sustentabilidade agrícolas. 

Para dar resposta a esta questão, foi criado neste âmbito, o GO “LTT- Lycopersicon Two Times, que tem como objetivos principais: 

  • definir o roteiro técnico de uma 2ª colheita de tomate de indústria, ao identificar as práticas culturais que permitam aumentar a produção nacional deste tipo de tomate, promovendo uma maior eficiência económica na gestão deste sistema de produção; 
  • estender o fim da campanha, através de soluções técnicas que permitam reforçar a existência de matéria-prima no fim de setembro, a um custo menor, e por essa via a um menor risco económico para o agricultor, quando comparado com as condições atuais; 
  • gerar um novo produto de viveiro, de forma que as plantas que são adquiridas permitam a realização de uma segunda colheita na mesma campanha. 

Para apoiar a concretização dos objetivos, fazem parte deste Grupo Operacional, os seguintes parceiros: 

CCTI – Associação para a Investigação, Desenvolvimento e Inovação no Setor (Líder)

Instituto Superior de Agronomia

BENAGRO – Cooperativa Agrícola de Benavente, CRL

Fruto Maior – Organização de Produtores Hortofrutícolas Lda

RELCAMPO, Unipessoal Lda

Sociedade Agrícola Caneja Lda

Sociedade Ortigão Costa, Lda

Sociedade Agro-Pecuária do Vale da Adega S.A

TPROTechnologies, Lda

Sendo de vital importância a cooperação entre os diversos setores – investigação, produção e indústria, envolvidos no projeto.  

Sabia que? 

  • Portugal regista uma produtividade média de 90 toneladas de TI por hectare – a maior da Europa e a terceira mais elevada do mundo; 
  • é o segundo maior exportador europeu, atrás da Itália.  

Dos estudos e ensaios já realizados, tudo indica que o aumento da produtividade do tomate, através do estabelecimento de uma segunda colheita na mesma campanha é viável, contudo, é necessário estabelecer guias de conduta para o seu sucesso em pleno. 

Para a criação de tais regras será necessário avaliar e monitorizar em campo:  

  • o crescimento e estado da cultura nas condições de pós-corte; 
  • quais as melhores condições de rega, fertilização e práticas de proteção das culturas; 

de modo que o saldo custo/benefício seja positivo quer para o produtor quer para a sustentabilidade dos recursos naturais. 

Acompanhe a evolução dos trabalhos deste Grupo em lycopesicon2times.com e apoie a agricultura portuguesa!