Seja você um agricultor profissional ou alguém que cultiva por hobbie, a fertilização não será um tema desconhecido. Na verdade, uma das principais preocupações de qualquer produtor é garantir que que a sua plantação cresça corretamente. Para isso é necessário passar para as plantas todos os nutrientes possíveis. E é aqui que a fertilização assume um papel de extrema importância.  

Para quem vive da agricultura, este é um fator com um peso incalculável. Uma vez que grandes produções representam também maiores ganhos.  

Os nutrientes por sai vez têm uma extrema importância para as plantas, uma vez que são absorvidos em grande quantidade. Dentro dos nutrientes podemos encontrar dois tipos: 

  • Macronutrientes – Nutrientes absorvidos em grandes quantidades. 
  • Micronutrientes – Nutrientes absorvidos em pequenas quantidades. 

Quanto mais fertilizar mais resultados tenho? 

Mas calma! Nem tudo se trata de fertilizar de forma desenfreada e esperar que as plantas cresçam de forma vertiginosa.  Muitas vezes a aplicação incorreta dos fertilizantes pode comprometer o desenvolvimento e o crescimento das plantações. Tal como na rega, também a fertilização precisa de ser com conta, peso e medida.  

Para que tenha uma ideia, a fertilização de culturas de forma abrupta pode transformar-se numa enorme dor de cabeça chamada de: PRAGAS! Mas não ficamos por aqui, outras doenças e problemas de difícil resolução podem surgir. O que pode levar a comprometer toda a sua plantação.  

Por isso, tenha atenção no momento da aplicação de fertilizantes. Uma vez que uma aplicação que não respeite as doses recomendadas, irá ter efeitos diretos na sua cultura. E efeitos indiretos no ambiente: através de poluição de água (por exemplo).  

Assim sendo, para ter a certeza da quantidade ideal de fertilizante que deve aplicar, o melhor será realizar uma análise ao solo. Isto claro é super viável quando se trata de uma enorme plantação cuja finalidade é económico. Uma vez que aqui, os riscos de perda podem ter maiores consequências.   

Esta análise de solo é nada mais, do que análises químicas. No fim, os resultados vão-lhe permitir saber informações sobre a quantidade de nutrientes existente no solo. Também informações como: textura, estrutura e valor de pH, vão constar nos resultados desta análise.  

Mas é assim tão importante?  

Sim! Extremamente, uma vez que assim irá ter uma visão mais precisa do seu solo e das necessidades do mesmo. Irá evitar a sob dosagem de fertilizantes, diminuindo o impacto não só ambiental como na saúde das pessoas que vão consumir os produtos.  

Fertilizantes – a aplicação! 

Os fertilizantes podem também ser conhecidos como corretivos! Estes por sua vez, têm como objetivo de aumentar o pH do solo e diminuir a acidez. Isto irá fazer com que as plantas aumentem a absorção de nutrientes. E fiquem menos suscetíveis a elementos potencialmente tóxicos.  

Dentro dos fertilizantes conseguimos ainda encontrar os adubos que podem eles ser simples ou compostos.  

  • Adubos simples – possuem apenas um elemento principal. 
  • Adubos compostos- Possuem mais do que um elemento principal, podendo eles ser: azoto (a sua aplicação é mais complexa), potássio e fósforo.  

Ainda assim é importante que saiba que existem dois tipos de adubações – a sua aplicação é completamente distinta. 

  • Adubação de cobertura –   Nestes casos a cultura já está no solo. Esta adubação pode ser realizada em três momentos: 
  • Quando as plantas são jovens: 
  • Para corrigir alguma carência nutricional; 
  • Manutenção. 
  • Adubação de fundo –  Realizada no momento em que se prepara o solo para a cultura. Tratando-se esta de uma adubação de fundo, tal como o nome indica, o adubo não é colocado à superfície.  

Agora que já sabe um pouco mais sobre fertilização, lembre-se: o tipo de adubação vai depender de diversos fatores. Esteja atento ao seu solo, ele irá saber dizer quais as suas carências.  

Bons cultivos!